quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

A opinião dos alunos: qual é o sentido da vida?

image

No DIA MUNDIAL DA FILOSOFIA, lançamos aos alunos da escola e aos leitores do blogue “Dúvida Metódica” um desafio (AQUI):

A Filosofia está em todo o lado…dizem os alunos

Muitos alunos explicaram como é que podemos responder aos problemas filosóficos propostos.

Obrigada a todos!

Eis algumas das melhores opiniões:

Se afinal vamos morrer, que sentido faz viver?

Um dos maiores questionamentos do homem é o sentido da vida. O desconhecido é algo que sempre amedrontou a humanidade, afinal não temos nenhuma resposta que nos situe numa perspetiva indiscutível. Resta-nos refletir.
Na minha opinião, viver sabendo que a qualquer momento pode ser o meu último é, no mínimo, angustiante. E várias vezes me pergunto se o nosso destino final é o caixão e porque damos tanto valor a preocupações menores como, por exemplo, uma simples nota negativa em provas escolares?
Bem, durante centenas de anos, o homem tentou explicar o sentido da vida. Vários filósofos tentaram e tentam dar explicações a essa pergunta. Na religião, um exemplo é o cristianismo, que defende ser o sentido da vida a comunhão com Deus, tanto na vida como após a morte. Nas doutrinas que defendem a reencarnação da alma, o sentido da vida é evoluir e tornarmos-nos pessoas melhores a cada passagem pela Terra. No judaísmo, o sentido da vida é, de forma simplificada, a reverência perante a Deus e a sua vontade.
Não sou apegada a nenhuma religião e muito menos pretendo me apresentar como filósofa, porém penso que o sentido da vida é uma escolha e varia para cada um de nós. Ora, como vamos definir o sentido da vida para ser aplicado a todos, se a personalidade e os contextos, tanto social quanto económico das pessoas, são diferentes?
Mas deve-se ressaltar que na sociedade também somos levados a padronizar o nosso modo de viver, bem como a nos enquadrarmos dentro de uma determinada moral. Podemos mesmo lembrar exemplos extremos, de conformismo aos modelos socialmente aceites, como o nazismo na Alemanha e o fascismo na Itália.
De qualquer maneira, desde pequenos, somos ensinados que a única variável certa da vida é a morte. Todavia, não sabemos em que momento ela vai chegar.
“Se afinal vamos morrer, que sentido faz viver? ”
Ora, só porque sabemos o destino final, a viagem e o modo como ela é feita não é importante?
O sentido da vida, acredito eu, pode estar mais nas pequenas coisas, como ver as primeiras folhas espalharem-se pelo chão anunciando o começo do outono ou, simplesmente, ver o sol nascer.
Considero que temos de dar valor às lições que recebemos ao longo da vida - pode ser um conselho sábio de um idoso ou o estudo da filosofia – e construirmos e legarmos algo que auxilie as gerações futuras.
Por fim, penso que a busca pelo sentido de viver é algo que criamos para aceitar e suportar a verdade iniludível: vamos todos morrer um dia.

Luísa Torres, nº14, 11º8

Se afinal vamos morrer, que sentido faz viver?

A morte é, provavelmente, a única certeza que temos na vida, é algo inevitável, não temos opção de escolha. Vai chegar uma fase da nossa vida na qual iremos morrer. E momentos antes de tal suceder, talvez pensemos sobre o sentido que demos à nossa vida. Será que a aproveitámos da melhor forma? Será que queremos morrer com a sensação de que não vivemos o suficiente? Que não aproveitámos a vida ao máximo?
Bem, esta resposta depende de cada pessoa, dos seus objetivos e respetivos sonhos. Cabe a cada um escolher o sentido que quer dar à vida, fazer com que esta valha a pena; com que nos sintamos bem connosco próprios.
Estamos constantemente a ser postos à prova pela vida, por exemplo, ao longo desta, vamos conhecendo pessoas, umas tornam-se amigas para uma vida inteira, outras passam por ela simplesmente para nos ensinar um qualquer tipo de lição.
Na minha opinião, não devemos nem podemos, em altura nenhuma, desperdiçar a vida com detalhes e pormenores desinteressantes (como por exemplo, dar demasiada importância às pessoas de quem não gostamos ou às que nos irritam diariamente).
Talvez tenhamos nascido com um propósito: o de vivermos felizes; de aproveitarmos a vida concretizando os nossos sonhos; de aprendermos e, ensinarmos, igualmente; de proporcionar a maior felicidade, tanto para nós como para os outros; e de praticarmos o bem, tanto para a sociedade como para os que nos são próximos.

Aristóteles, outrora, disse: "A felicidade depende de nós mesmos" e não deixa de ser verdade, pois cabe a cada um decidir ser feliz e como sê-lo, descobrindo o que dá sentido à sua vida.

Catarina Possante, nº4, 11º8

Outras opiniões dos alunos sobre problemas filosóficos:

Como deve ser uma sociedade justa?

As tradições serão todas respeitáveis?

A opinião dos alunos: as tradições serão todas respeitáveis?

No DIA MUNDIAL DA FILOSOFIA, lançamos aos alunos da escola e aos leitores do blogue “Dúvida Metódica” um desafio (AQUI):

A Filosofia está em todo o lado…dizem os alunos

Muitos alunos explicaram como é que podemos responder aos problemas filosóficos propostos.

Obrigada a todos!

Eis algumas das melhores opiniões:

Devemos respeitar todas as tradições de sociedades com uma cultura diferente da nossa?

São notórias todas as diferenças que predominam entre os seres humanos. Desde traços físicos a psicológicos, há uma inúmera panóplia de nuances. Como tal gostos, ideais e culturas também divergem.

Cultura definida por Edward B. Tylor "é todo aquele complexo que inclui o conhecimento, as crenças, a arte, a moral, a lei, os costumes e todos os outros hábitos e capacidades adquiridos pelo homem como membro da sociedade". Pelo mundo fora é certo que existe um imensurável número de culturas distintas. Como é óbvio, o respeito entre estas é o que vincula o equilíbrio no mundo. É, talvez, o fio condutor para a harmonia do homem com a natureza e dos homens entre si.
Mas como é possível aceitar tradições culturais em que se torturam e sacrificam outros seres?
Na cultura chinesa, por exemplo, é um costume cozinhar cães e gatos vivos, visto que desta forma a carne fica mais tenra e saborosa devido há intensa libertação da adrenalina provocada pelo stress dos animais. Na realidade, não é necessário chegar até ao outro extremo do planeta para encontrar atrocidades.
As touradas são um ínfimo paradigma destas brutalidades. Neste costume, muito praticado no nosso país, algo como perseguir um touro e espetar-lhe ferros e bandarilhas no dorso é uma pratica que cativa imensos portugueses pela diversão de ver o sofrimento do animal.
Porém não são só os animais sofredores de desumanos costumes. Basta um pequeno olhar atento pelo globo, para comprovar o desprezo a casais homossexuais, a albinos, ou até mesmo a mulheres.
Apesar de haver em determinados países leis que permitem a homossexuais casarem e constituirem família, não lhes é concedido liberdade de terem uma vida normal e digna, longe dos constantes assédios e perseguições de pessoas que não aceitam o amor para além de casais de sexos opostos.
Também é curioso, o facto de uma mutação genética, independente da vontade e opção de uma pessoa não ser aceite em algumas tribos africanas. Albinos que nascem em tribos são mutilados e sacrificados, por serem considerados em alguns casos uma maldição ou até mesmo uma dádiva que curará milagres.
Uma realidade que também se pretende encobrir é a inferioridade da mulher. Desde os primórdios, que a mulher teve que conquistar os seus direitos e não ser vista como um adorno e/ou pertence do homem. Infelizmente, em culturas como a islâmica esta vivência ainda é muito presente. Meninas são forçadas a casar com homens por vezes com uma idade muito superior à sua, são igualmente mutiladas genitalmente como um ritual.
Apesar de ser necessário haver harmonia e respeito no mundo. É óbvio, temos de ter um ponto de vista crítico, pois há muitos exemplos que demonstram não ser possível respeitar na íntegra as diferentes culturas, porque ao aceitá-las, sem reservas, estar-se-ia a permitir o atropelo dos direitos dos animais e dos seres humanos e, inclusivamente, apelar à morte de inocentes.

Inês Silva, nº 16, 11º 1

Outras opiniões dos alunos sobre problemas filosóficos:

Como deve ser uma sociedade justa?

Qual é o sentido da vida?

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

A opinião dos alunos: como deve ser uma sociedade justa?

No DIA MUNDIAL DA FILOSOFIA, lançamos aos alunos da escola e aos leitores do blogue “Dúvida Metódica” um desafio (AQUI):

A Filosofia está em todo o lado…dizem os alunos

Muitos alunos explicaram como é que podemos responder aos problemas filosóficos propostos.

Obrigada a todos!

Eis algumas das melhores opiniões:

Como deve uma sociedade organizar-se para que exista justiça social?

Na minha opinião, para que haja justiça social o Estado deverá ser interventivo, de forma a combater as desigualdades sociais; o sistema político terá que ser obrigatoriamente democrático e ainda proponho a criação de uma aliança global promotora desta justiça.

De forma a ilustrar o meu ponto de vista, irei construir a minha argumentação com base no cartoon encontrado no seguinte link: http://thewireless.co.nz/articles/the-pencilsword-on-a-plate. Analisando este cartoon, é possível observar dois caminhos de vida distintos, estando patente a influência que o meio de nascimento tem no futuro de cada um de nós. Ora, para que exista justiça social a importância do meio de nascimento para o nosso futuro deverá ser diminuta, garantindo assim a igualdade de oportunidades.

Assim, coloca-se a seguinte questão: Como garantir a igualdade de oportunidades? Creio que, de modo a garantir esta igualdade de oportunidades dever-se-à recorrer à criação de sistemas nacionais de saúde; educação e de apoio social, entre outros que deverão ser sustentados pelo dinheiro dos contribuintes, sendo que os mais ricos deverão pagar mais do que os mais pobres, de forma a que as assimetrias sociais sejam corrigidas, assegurando assim uma maior igualdade de oportunidades, dado que todos passam a ter acesso à satisfação de necessidades básicas. Sendo assim, acho que a educação deveria ser gratuita, inclusive o ensino superior, desta forma a Paula não teria que se preocupar com o pagamento das suas propinas; e que deveria ser garantido a todos os cidadãos independentemente da sua condição um rendimento mínimo, de forma a evitar a pobreza e a mendicidade. Creio ainda ser importante a reforma do sistema prisional, que em vez de focar-se no castigo e punição, dever-se-ia focar na educação e reintegração dos prisioneiros na sociedade e na resolução dos problemas que afetam os sentenciados. Assim, através destas medidas, promovidas por um Estado interventivo talvez a Paula estivesse na situação à qual chegou o Richard (sem grande esforço).

De seguida, penso que a justiça social só tem lugar num Estado democrático, livre, assente na igualdade perante a lei; na divisão tripartida dos poderes e defesa dos direitos humanos, uma vez que se não formos iguais perante a lei, então não existirá alguma vez igualdade de oportunidades e, muito menos, justiça social.

Por fim, julgo que para existir verdadeira justiça social, esta não poderá ser limitada às fronteiras de meia-dúzia de países, dado que se houver justiça social, mas o acesso a esta estiver limitada a apenas algumas pessoas que tiveram a sorte de nascer em determinado país, o meio de nascimento continuaria a determinar o futuro de cada um de nós. Assim, creio que seja importante a criação de uma aliança global, à semelhança das Nações Unidas, que tenha como principal objetivo a homogeneização das oportunidades dadas aos cidadãos, não só de determinado país, mas entre países. Creio que, depois de um período de adaptação em que esta homogeneização fosse conseguida, dever-se-iam abrir as fronteiras, à semelhança do que acontece atualmente na UE.

Concluindo, sou da opinião de que assentando nestes três pilares fundamentais - um Estado interventivo, dedicado a garantir a igualdade de oportunidades, um Estado democrático e a criação de um órgão mundial, responsável pela promoção da justiça social - seria possível a existência de um Mundo verdadeiramente justo, no qual a Paula e o Richard teriam as mesmas oportunidades, sendo apenas assim garantido um desenvolvimento efetivo, em que as qualidades de cada um de nós saem reforçadas, por termos todos as mesmas oportunidades de desenvolvê-las.

João Janeiro, nº12, 11º 8

A banda desenhada referida no texto anterior pode ser lida neste blogue:

Desigualdade social: a história de Richard e Paula (1)

Desigualdade social: a história de Richard e Paula (2)

Desigualdade social: a história de Richard e Paula (2)

O início desta banda desenhada pode ser lido no link que se segue:

Desigualdade social: a história de Richard e Paula (1)

03

04

Desigualdade social: a história de Richard e Paula (1)

O meu aluno do 11º 8, João Janeiro, tomou como ponto de partida para a sua reflexão sobre um dos problemas filosóficos sugeridos no Dia Mundial da Filosofia – “Como deve uma sociedade organizar-se para que exista justiça social?” – a situação descrita na banda desenhada que se segue, retirada do site The wireless.  

Vale a pena ler.

01

02[3]

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Matriz do 3º teste do 11º ano (Esla)

 ad hominem

Duração: 100 minutos.

Objetivos:

1. Distinguir a validade dedutiva e a validade não dedutiva.

2. Distinguir e identificar as formas argumentativas válidas e inválidas estudadas.

3. Completar formas argumentativas.

4. Construir argumentos com essas formas.

5. Identificar e explicar em que consistem os seguintes argumentos não dedutivos: generalizações, previsões, argumentos por analogia e argumentos de autoridade.

6. Conhecer e explicar as regras de validade de cada um desses argumentos não dedutivos.

7. Explicar o que são falácias informais.

8. Identificar e explicar as formas falaciosas dos argumentos não dedutivos estudados.

9. Avaliar argumentos não dedutivos determinando se são válidos ou inválidos.

10. Identificar e explicar em que consistem outras falácias informais: Argumento ad hominem, Apelo à ignorância, Falso dilema, Falácia do espantalho, Falácia da derrapagem e Petição de princípio.

Para estudar:

PDF´s e fotocópias entregues.

No manual adotado:

Da página 74 à página 108.

No Dúvida Metódica:

A relação entre verdade e validade
Validade dedutiva
A importância da validade: duas analogias
Generalizações e previsões
Argumento por analogia
Ficha de revisão: identificação de argumentos não dedutivos
Falácias informais: vídeos
Falácias informais do apelo à ignorância, da derrapagem e do boneco de palha

Petição de princípio

Qual é a falácia? (Falácia da derrapagem)
Derrapagem: do casamento homossexual ao incesto
Exemplos das falácias do espantalho e da derrapagem
Exemplos da falácia do apelo à ignorância
Milagre ou falácia? (Apelo à ignorância)
Qual é a falácia? (Falso Dilema)

Aconselhados:

Falsa analogia
Generalização ou contra-exemplo?
Eis uma generalização pouco arriscada
Quais são as falácias utilizadas por Trump?